Páginas

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

EASY DIVE - O próxima lançamento da Oceânica é uma cerveja do estilo Witbier

Durante essa semana, a Cerveja Oceânica divulgou na sua rede social, pedaços de imagens de um animal marinho.

As nadadeiras denunciaram tratar-se de uma baleia e coube aos internautas dar palpites sobre o estilo e o nome da cerveja. Alguém sugeriu o criativo nome Pale Whale - whale é baleia em inglês - numa alusão ao estilo Pale Ale.





Mas não, o próximo rótulo da Cerveja Oceânica é a Easy Dive, uma cerveja de trigo belga do estilo Witbier. A baleia no rótulo é uma baleia-branca, já que a cerveja também é conhecida como uma “cerveja branca” (blanche, em francês), por causa da sua aparência e turbidez.




A Easy Dive foi produzida na Cervejaria Antuérpia, localizada em Juiz de Fora, Minas Gerais. Sua receita leva adição de cascas frescas de laranja e tangerina, sementes de coentro e gengibre. Ela possui 5% de teor alcoólico, 15 unidades de amargor e coloração amarelo-palha a amarelo.

Easy Dive. Mergulhe com a Oceânica nesta Witbier aromática e refrescante. Pense. Imagine aonde este mergulho pode te levar. Desligue. Liberte-se das amarras. Relaxe. Aproveite esta viagem submersa. Onde você esteve? Compartilhe. Conte pra gente também! @cervejaoceanica”.


Abaixo segue a relação completa dos estabelecimentos que vão plugar o chope da Oceânica Easy Dive. O lançamento é semana que vem. Nos locais também serão vendidos souvenires, como copos, camisetas e bonés:



Maiores informações:

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Degustação da DaDo Bier no bar Nook Bier

Nook Bier é um bar especializada em cervejas especiais. Um local aconchegante em pleno centro comercial da Abelardo Bueno - zona oeste do Rio de Janeiro -, que conta com balcão para serviços de chope, salão interno e uma agradável área externa, onde o happy hour é garantido. A casa possui mais de 100 rótulos nacionais e internacionais, podendo degustar chope, cerveja em garrafa ou até mesmo comprar para levar pra casa. Além disso, a casa conta com um delicioso menu de petiscos, para que o fim de tarde seja ainda mais agradável.





Fomos convidados pelo Nook Bier para degustar os rótulos da DaDo Bier e bater um papo com o mestre cervejeiro da cervejaria.

A DaDo Bier é uma das pioneiras em cervejas especiais no país, com 20 anos de mercado e uma passagem pelo Rio de Janeiro, no shopping Downtown, com um brewpub. A cervejaria está retornando para o mercado do Rio, focando em casas dedicadas às cervejas especiais. Hoje a empresa conta com dez rótulos, que vão desde as tradicionais Pilsen e Weiss, até uma Belgian Ale, India Pale Ale e uma Chocolate Stout. O destaque vai para a Ilex, a primeira cerveja do Brasil a ser produzida com erva-mate.

DaDo Bier Ilex - Spice, Herb or Vegetable Beer 5% abv
Cor amarela e levemente turva. Aroma herbal típico da erva-mate, baixo amargor (10 IBU) e corpo médio-baixo, com destaque no sabor para a presença de malte e da erva-mate. Cerveja ótima para o verão, bem refrescante e equilibrada.


O próximo lançamento da DaDo Bier vem para celebrar os 20 anos de sua história: Duons, uma Witbier singular, de coloração clara e baixo amargor, delicadamente temperada e elaborada com especiarias - canela, anil estrelado, cardamomo, cravo e açafrão.



---
Postagem e fotos:
JOSÉ RENATO ROMÃO
Sommelier de cervejas
Sócio proprietário da Cerveja Artesanal Duzé
Sócio proprietário da Ceres Malte, importadora/distribuidora de insumos

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

HOPTOBERFEST - Fina Cerva e Cerveja Social Clube criam versões lupuladas da tradicional festa alemã

A Oktoberfest é aquela festa alemã sempre aguardada pelos entusiastas de cervejas, que não veem a hora de empunhar suas canecas de 1 litro cheias de cervejas do tipo Helles, Weissbier e IPA... IPA?

Pois é, os bares Fina Cerva (em Niterói) e Cerveja Social Clube (na Tijuca), resolveram desconstruir a festa germânica e vão oferecer ao povo festeiro uma Oktoberfest numa versão mais lupulada, Hoptoberfest, que foge um pouco dos tradicionais estilos alemães.



A Hoptoberfest do Fina Cerva - Av. Sete de Setembro, 193, loja 103, Jardim Icaraí - Niterói - começa hoje, 23/10, e vai durar até domingo, 25/10. Durante esses dias estarão plugados dois chopes da cervejaria Invicta: Six O' Clock IPA (colaborativo com a americana Sixpoint) e 1000 IBU Imperial IPA.




O cliente que comprar 1 pint de um dos chopes ganha 25% de desconto em qualquer prato com salsichas alemãs. E na compra de 2 pints vai ganhar 50% de desconto!

Entram na promoção as porções de salsicha branca e vermelha, o mix de salsicha e os hot dogs. Lembrando que a promoção rola até acabarem os chopes.




Já a Hoptoberfest do Cerveja Social Clube - Rua Barão de Mesquita, 141, loja C, Tijuca, Rio de Janeiro - retorna esse ano com o festival de cervejas lupuladas que foi sucesso no passado.

O evento ocorre no sábado, 24/10, à partir das 14h e este ano contará com seis barris de chope plugados: Juan Caloto, Evil Twin Brazil Big Bang Lager, Jupiter APA, Mistura Clássica VertigemFraga IPA e Slow Down Session IPA.




Além disso, uma seleção de garrafas foi feita especialmente para o evento com Seasons Green Cow, Green Flash Green Bullet, Evil Twin Bikini Beer, Brewdog Punk IPA, 2Cabeças MaracujIPA, dentre outras.

A banda Dr. Swing estará presente tocando músicas autorais no melhor estilo big band, das 17h às 20h. E especialmente para o evento o CSC preparou uma série de pratos e petiscos inspirados na cultura alemã, todos selecionados para combinar perfeitamente com as cervejas servidas.

Ein prosit!

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

OKTOBERFEST 2015, BLUMENAU/SC - Eisenbahn Bierhaus

Semana retrasada estive presente na edição 2015 da Oktoberfest de Blumenau/SC. A festa é centralizada dentro dos pavilhões do Parque Vila Germânica e percebi algumas mudanças frente à edição 2012, quando participei pela primeira vez.



A patrocinadora oficial da festa agora é a Eisenbahn. Isso trouxe um sentimento de orgulho ao cidadão blumenauense, que passou a ter uma cervejaria local como a maior representante de sua festa germânica.

Demais cervejarias do grupo Brasil Kirin também estavam presente, como Nova Schin e Baden Baden - esta última levou um chope exclusivo para a festa: Red Ale envelhecida em barril de carvalho. 



Outras cervejarias locais também estavam lá, como Bierland, Wunder Bier, Container e Das Bier. Desta última recomendo a Roggen Kölsch, uma Kölsch com centeio, ao invés de trigo, bastante refrescante, e a Braunes Ale, uma Brown Ale bem equilibrada.



Circulando pelos pavilhões, embora algumas vezes lotados e até intransitáveis, as impressões que tive foram as mesmas que percebi da última vez: uma festa democrática, sem brigas e com pessoas animadas, querendo se divertir. Embora muitos vão com a imagem de ser uma grande “chopada”, o clima lá dentro é bem familiar. A maioria das pessoas usam os trajes típicos alemães, tornando tudo mais charmoso.



A novidade que mais curti foi o Eisenbahn Bierhaus, que é, como o próprio nome diz, a casa da Eisenbahn. Um restaurante que oferece boas opções de comida, sobremesas, drinks com cervejas e, claro, as cervejas da Eisenbahn - em garrafa e chope. 

Todas as cervejas são servidas em copo próprio, inclusive têm boa disponibilidade de Mass, para quem gosta de beber nas canecas de 1 litro.



Recomendo os chopes Eisenbahn Dunkel - que caiu muito bem com o suflê de chocolate com sorvete de creme e chantilly - e Oktoberfest, que está bem fresco e com bom amargor no fim do gole que o torna com potencial para ser bebido em quantidade. Já a Eisenbahn 5 - Vienna Lager com dry hopping - consumi em garrafa e continua sendo a melhor cerveja do portfólio, com destacado lúpulo aromático. Também recomendo finalizar com uma tacinha de Bierlikor, para o jantar ficar inesquecível.



No próximo domingo, 25 de outubro, termina a edição 2015 da Oktoberfest. Portanto corre pra Blumenau que ainda dá tempo de participar.




Ein prosit!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

BACKER LAS MAFIOSAS - Mineira investe novamente em estilos de cervejas da escola americana

Las Mafiosas é o novo projeto da cervejaria mineira Backer, uma série de cervejas que faz parte da linha 3 Lobos, com estilos de cervejas inspiradas na escola americana.



Os “lobos” saíram do cenário do velho oeste e entraram no universo dos mafiosos. Com isso nasceram Diabolique, Corleone e Tommy Gun, personagens fictícios inspirados em histórias em quadrinhos, com uma pegada um pouco mais obscura e noir da máfia, mas sem perder o bom humor.

Os personagens dão os nomes aos rótulos das cervejas criadas em parceria com a mestre cervejeira Alex Nowell, proprietária da cervejaria americana Three Weavers Brewing Co., da Califórnia.



Diabolique é uma American IPA, com 7,5% de teor alcoólico, 52 unidades de amargor e que leva na receita o limão capeta orgânico (também conhecido como limão cravo). É uma releitura da The Messenger, cerveja produzida de forma colaborativa pela Three Weavers com a Noble Ale Works:

Cor dourada a âmbar. Limpa e borbulhante. Espuma de cor quase branca, média a alta criação, boa retenção e que sujou as laterais do copo. Aroma fresco, boa lupulagem, notas cítricas de laranja e limão. Segue herbal, floral e picante. Malte perceptível com certo dulçor e biscoito. Na boca vem o amargor médio a quase alto, com notas herbais, levemente resinosas e picantes. Maltado aparente com o biscoito. O frutado cítrico apareceu menos na boca que no aroma. Aftertaste seco e amargo, com o limão aparente e um pouco de gramíneo. Corpo e carbonatação médios. Sem adstringência e álcool quase imperceptível. Boa IPA, com bom aroma de lúpulo e maltado em segundo plano - um pouco mais de lúpulo frutado seria o ideal. Bom amargor, apenas um pouco gramíneo no aftertaste. 



Corleone é uma Imperial Red Ale, com 7,7% de teor alcoólico e 62 unidades de amargor. A cerveja já conquistou medalha de prata no Festival Brasileiro de Cerveja, em Blumenau, medalha de ouro na South Beer Cup, em Mar del Plata, Argentina, e medalha de ouro na Copa Cervezas de América, no Chile:

Cor marrom mogno e vermelha contra a luz. Espuma bege, com média a baixa criação, que se mantém com leve camada e sujando um pouco as laterais do copo. Aroma maltado em primeiro plano e bem agradável - tostado, caramelo, toffee, biscoito e waffer. Lúpulo em segundo plano com agradável e moderado cítrico. Quando esquentou veio o chocolate. Sabor com a lupulagem em primeiro plano. Amargor médio, herbal e resinoso de grapefruit. Notas de malte em seguida com biscoito, leve tostado, amendoim (?) e caramelo. Aftertaste amargo e persistente - verde. Corpo médio, carbonatação média a alta, quase frisante. Leve percepção alcoólica e sem adstringência. Boa cerveja, mas curiosamente o aroma é mais malte e o sabor é mais lúpulo. Um equilíbrio entre ambos seria o ideal.



Tommy Gun é uma Double IPA, com 8,4% de teor alcoólico e 68 unidades de amargor. Foi a minha preferida dentre as três cervejas degustadas:

Cor dourada a âmbar. Limpa e muito borbulhante. Espuma quase branca, de alta criação e alta retenção - textura cremosa - que sujou as laterais do copo. Aroma inicial com muita tangerina, seguido de intenso resinoso e um pouco de pimenta. Maltado leve em segundo plano, com grãos, cereais, pão e caramelo (?). Sabor segue o aroma. Frutado muito agradável e intenso (melão). Amargor médio a alto, herbal, resinoso e picante - que cresce no fim do gole, quase gramíneo. Aftertaste seco e amargo, mas que não persiste e deixa a boca limpa. Corpo alto, carbonatação média a baixa, textura cremosa. Sem adstringência. Leve álcool e calor, mas sem agredir. Boa DIPA que não deve nada aos pares norte-americanos. Boa como está, mas um maior aroma cítrico a deixaria perfeita.


Parabéns à Backer pela iniciativa de trazer novas - e boas - cervejas, bem fiéis aos estilos propostos. Um brinde! 

domingo, 18 de outubro de 2015

XI Encontro Nacional das ACervAs - Novidades para o encontro do ano que vem, no Rio de Janeiro

Em reunião realizada no último sábado, a ACervA Carioca deu o primeiro passo na criação do cronograma do XI Encontro Nacional das ACervAs, que será realizado em 2016 no Rio de Janeiro.



Ficou decidido que todas as regionais vão se unir em prol da organização da festa, que ocorrerá do dia 25 a 29 de maio de 2016, ficando dividida entre as seguintes cidades, a priori:

No dia 25/05 (quarta-feira) será o pequeno cerimonial de abertura, à noite, no Rio de Janeiro.

O concurso de cervejas caseiras - ainda não foram definidos os estilos - vai ser no Rio de Janeiro, nos dias 26/05 (quinta-feira) e/ou 27/05 (sexta-feira).

As palestras serão realizadas no Rio de Janeiro em duas datas a definir.

No dia 26/05 (quinta-feira) ou 27/05 (sexta-feira) será organizada um passeio à região Serrana, com a 'Rota Cervejeira do Rio de Janeiro'.

No dia 28/05/2016 (sábado) será a festa de confraternização em Niterói, no Teatro Popular do Caminho Niemeyer.

E no dia 29/05/2016 (domingo) será o 'Domingo no Parque' - uma espécie de piquenique no Aterro do Flamengo, com cerveja artesanal.



Vamos aguardar maiores novidades a respeito, pois este é apenas um cronograma inicial e que pode ser alterado. Mas já é bom todos irem se programando para esse acontecimento tão especial no nosso estado.

ACervAaaaaaaa!

terça-feira, 13 de outubro de 2015

WORKSHOP AVANÇADO DE LÚPULO - Barth Haas Group e Instituto da Cerveja Brasil apresentam o Hops Academy

Os especialistas em lúpulos Tim Kostelechy e Alfredo Almeida, do Barth Haas Group – maior fornecedor dessa variedade de insumo do mundo – ministram no Rio de Janeiro (RJ), nos dias 19 e 20 de outubro, o Hops Academy® - Workshop Avançado de Lúpulo - pelo Instituto da Cerveja Brasil. A oficina tem como objetivo mergulhar no universo da planta, focando em suas características e nas técnicas avançadas de utilização, como por exemplo, o dry-hopping - adição do produto após a fermentação do mosto.



O conteúdo do curso abrange: introdução ao mundo dos lúpulos; aspectos comerciais; cultivo; processamento; produtos avançados de amargor; manuseio e armazenamento; produtos convencionais e avançados de lúpulo; estilos de cervejas e regimes de lupulagem; dados sobre lupulagem tardia e dry-hopping; amargor por estilo de cerveja vs. realidade; desenvolvimento de novas variedades de lúpulo; fabricação de cerveja com produtos avançados; sabores: tradicionais vs avançados; amargor: tradicional vs avançado; estabilidade de sabor: tradicional vs avançado; química básica do lúpulo;  utilização do lúpulo; técnicas de “Dry-Hopping”; decodificando o aroma do lúpulo.

SERVIÇO:
Investimento: R$ 950,00
Data: 19 e 20/10/2015
Duração: 8 horas
Horário: das 19hs às 23hs
Aulas: Inglês, com tradução simultânea
Público-alvo: Sommeliers de cerveja, cervejeiros caseiros, cervejeiros de pequenas, médias e grandes cervejarias, entusiastas
Pré-requisito: Ensino Médio completo
Professores: Tim Kostelechy e Alfredo Almeida (ambos da empresa Barth Haas)
Certificação Internacional: Hop Academy® Barth Haas e Instituto da Cerveja
Inscrição: gustavorenha@gmail.com
Local: Restaurante Atelier - Rua São Bento, 17 - Centro, Rio de Janeiro - RJ

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

W*KATTZ - Saiba onde provar o chope W*Kattz EPA

De apreciador e colecionador a cervejeiro artesanal. A trajetória do arquiteto Luiz Winter marca a chegada ao mercado da W*Kattz, uma cervejaria cheia de personalidade que nasce com a missão de produzir cervejas de qualidade a partir de insumos especialmente selecionados e testados para cada receita.

“É a realização de um sonho que começou com a brincadeira de experimentar e colecionar cervejas e cresceu a ponto de nos levar a fazer o curso de cervejeiro artesanal. Além de produzir cervejas de qualidade, queremos com a W*Kattz difundir e fortalecer a cultura cevejeira”, afirma Luiz Winter, que para criar a cervejaria contou com a colaboração de dois amigos, igualmente apaixonados pela produção artesanal: Humberto Gatto e Marcelo de Aquino, o Marcelão Duleblon, criador da receita.



Além de personalidade e qualidade, a W*Kattz é uma cervejaria que tem história para contar. A começar pelo nome, criado a partir dos sobrenomes dos sócios Luiz Winter e Humberto Gatto. O “W” vem de Winter e o “Kattz”, de uma adaptação de Katze, gato em alemão. Para celebrar a criação da marca, um amigo jazzista compôs uma trilha sonora e então surgiu a ideia de inserir na identidade visual uma banda de jazz formada por gatos - um charme a mais que levou a assinatura do cartunista Bruno Drummond.

A cerveja W*Kattz EPA é uma versão clássica deste tradicional e secular estilo da escola inglesa, o English Pale Ale. De coloração dourada e brilhante tem como característica seu foco no sutil dulçor caramelado do malte, em harmonia com o leve amargor de lúpulos ingleses nobres, perceptíveis no aroma e paladar. Elegante e marcante cerveja que combina tradição real e modernidade, com sintonia e equilíbrio, estimulando sua experiência gustativa.

A cerveja W*Kattz EPA é a convidada dessa semana no Delirium Café RJ - Rua Barão da Torre, 183, Ipanema, Rio de Janeiro. O chope foi plugado ontem em uma das torneiras da casa. Portanto é bom correr para experimentar antes que acabe.

chope W*Kattz EPA no Delirium Café RJ
foto Tom Delirium


E quem for morador de Niterói, pode experimentar a W*Kattz EPA no bar Fina Cerva - Av. Sete de Setembro, 193, loja 103, Jardim Icaraí, Niterói. O chope será engatado hoje, a partir das 16h. Cola lá!





quarta-feira, 7 de outubro de 2015

CT BOUCHERIE - Impressões sobre o quarto jantar harmonizado com cervejas

Ontem foi realizada mais uma edição do jantar harmonizado do Grupo CT. Dessa vez o jantar saiu de São Conrado e foi parar na Barra da Tijuca, na CT Boucherie - Rio Design Barra

Desnecessário dizer que foi mais um jantar feito com capricho por todas as partes envolvidas, que são: os chefes Didier Labbé e Jessica Trindade, e o sommelier de cervejas Pedro Barcellos.

foto Mariana Rezende


Infelizmente eu não fui, mas a amiga Mariana Rezende foi e registrou tudo em fotos - ela é uma das sócias do Bar da Frente, bar da Praça da Bandeira que serve petiscos criativos (e premiados) e comida honesta. Portanto é uma pessoa que entende tudo de comida.

As impressões sobre os pratos e as cervejas foram escritas pelo próprio Pedro Barcellos. Abaixo ele explica suas intenções ao selecionar os rótulos e os elementos que buscou em cada cerveja nas harmonizações.

Cavaquinha, aipim, foie gras e brioche + Bamberg Camila Camila
“O amargor característico da cerveja, uma Bohemian Pilsener, corta a gordura do foie gras criando uma facilidade maior de se degustar o prato, ao mesmo tempo que o maltado, também característico da cerveja, busca uma semelhança com o brioche. O aroma floral do lúpulo vai “temperar” a cavaquinha e os chips de aipim, resultando em uma entrada leve, suave e muito saborosa.” 

foto Mariana Rezende


Polenta mole, ovo poché, queijo da canastra e broto de salsa + Paulaner Hefe-Weissbier
“O aroma e o sabor fenólico da cerveja vão deixar a polenta e o ovo poché mais saborosos e temperados. Recomendo que deguste primeiro só a polenta e, depois, a polenta com a cerveja. A diferença de sabor é muito perceptível, assim como a leveza que a cerveja acrescenta à polenta. O frutado da cerveja vai ter uma semelhança muito grande com o sabor do queijo da serra da canastra.”

foto Mariana Rezende


Costela suína, molho de goiaba, pomme dauphine de baroa e requeijão + Schneider Weisse Tap 6 Aventinus
“A cerveja composta de aromas que vão lembrar furtas passas e ameixa buscam uma semelhança muito intensa com o sabor do molho de goiaba, enquanto o teor alcoólico um pouco mais elevado vai cortar a gordura da costela, uma carne conhecidamente mais gordurosa. O mesmo vale para o pomme dauphine feito de batata baroa e requeijão, o álcool vai deixar a fritura mais “leve” , vamos ter uma semelhança de dulçor com o adocicado da baroa e “quebrar” a viscosidade do requeijão.”

foto Mariana Rezende


Magret de pato com especiarias e maçã caramelizada com mel e flores de mel + Trappistes Rochefort 10
“A cerveja e o prato eram muito intensos. A gordura do magret era quebrada pelo teor alcoólico da cerveja. Recomendei que a maça verde caramelizada fosse degustada primeiro com a cerveja, de forma que o dulçor da cerveja e a acidez da maça buscariam um equilíbrio, deixando a cerveja menos doce e a maça menos ácida, porém mantendo uma acidez suave característica da maça verde. O magret tinha uma semelhança de dulçor com a cerveja, pois o molho levava mel e flores de mel completavam a decoração do prato.” 

foto Mariana Rezende


Trio de chocolate + Wäls Petroleum
“Trio de chocolates, composto por sorvete de chocolate branco, brownie de café com espuma de cacau e uma tortinha de chocolate meio amargo. Foi recomendado experimentar cada doce separadamente com a cerveja para se perceber as diferenças que isso iria gerar no sabor. No caso do sorvete, a boca ficava bem aveludada e a torrefação da cerveja ficava menos intensa; no brownie, a torrefação tanto da cerveja quanto dele crescia, mas a espuma de cacau dava um equilíbrio para os dois; por fim, a tortinha de chocolate meio amargo buscava uma semelhança com o amargor da cerveja.”

foto Mariana Rezende


Para saber como foram as edições anteriores, é só clicar aqui e aqui

Fica a espera (e ansiedade) para a próxima edição do Jantar Harmonizado - talvez tenhamos uma novidade por aí. Por enquanto só nos resta ficar babando, famintos e sedentos, olhando as fotos.

CERVEJEIRO NA COZINHA 3 – Churros

Demorou um pouco, mas finalmente estou de volta com o “Cervejeiro na Cozinha”. Para a terceira receita da série escolhi uma sobremesa que fez parte da infância da grande maioria dos cervejeiros: churros. E o melhor, com a cerveja entrando como ingrediente na receita.



Ingredientes:

MASSA:
250ml cerveja
50g manteiga
165g farinha de trigo (1 xícara)
1 pitada de sal
Óleo para fritar
Açúcar e canela para empanar

COBERTURA:
200g chocolate meio amargo
75g creme de leite fresco
50ml leite
1 colher de chá de curry
½ pimenta dedo de moça

Comece pela massa. Coloque a cerveja em uma panela em fogo médio até que ela reduza para aproximadamente 200ml. Depois adicione o sal e a manteiga até que esteja totalmente derretida.

Recomendo o uso de uma cerveja com pouco amargor. No meu caso usei a Schneider Weisse TAP 6 Aventinus - uma clássica cerveja do estilo Weizen Doppelbock.



Junte a farinha toda de uma vez, desligue o fogo e mexa até homogeneizar.

Coloque a massa em um saco de confeitar com ponta de “estrela” e deixe resfriar na geladeira ou congelador, enquanto prepara a cobertura.







Para a cobertura, junte o leite, creme de leite, curry, pimenta e leve ao fogo até levantar fervura. Fique a vontade para ajustar as quantidades de curry e pimenta. Pique o chocolate em pedaços pequenos. Despeje os líquidos através de uma peneira sobre o chocolate e mexa até homogeneizar. Mantenha aquecido.

Aqueça o óleo para fritar os churros. Vale a dica do palito de fósforo: coloque um palito de fósforo no óleo, quando acender estará na temperatura certa para a fritura.



Para cortar a massa você pode usar uma tesoura ou a ponta dos dedos. Cuidado apenas na hora da massa cair no óleo quente para não respingar.

Ao retirar os churros da fritura coloque em papel toalha para que absorva todo o excesso de óleo, e passe na mistura de açúcar e canela.

Arrume os churros em um recipiente alto, um copo do tipo pint funciona perfeitamente. Coloque a cobertura de chocolate ao lado e pronto! Sirva a todos os presentes.



---

Postagem e fotos:
LEANDRO NOEL
Cervejeiro caseiro e amante da culinária