Páginas

quarta-feira, 20 de maio de 2015

CERVEJA OCEÂNICA – O polvo está chegando trazendo novidades...

Desde o início dessa semana a Cerveja Oceânica vem divulgando, através da sua fanpage no Facebook, a imagem de um polvo e seus tentáculos. Muitos estão curiosos em saber os segredos que esse molusco carrega e o que ele vai trazer de novidades para o mercado cervejeiro. O certo é que o desenho é uma reformulação na identidade visual da Oceânica, fruto de um desenvolvimento conjunto com um estúdio de design. O polvo vem aí...



A história da Oceânica começou nas panelas dos cervejeiros caseiros Caio Delgaudio e Rafael Bertges, membros das regionais (Capital e Niterói, respectivamente) da ACervA Carioca – Associação de Cervejeiros Artesanais do Rio de Janeiro. Suas cervejas ganharam prêmios em algumas competições de cervejas artesanais, mas foi em 2013 que veio a premiação maior. A cerveja deles foi eleita como a melhor Witbier do concurso de cervejas caseiras, promovido pela Cervejaria Bierland, de Santa Catarina. A cerveja foi produzida em escala comercial, mas atualmente não faz mais parte do portfólio da empresa, infelizmente.

Segundo Bertges, a grande novidade que estão guardando a sete chaves é o lançamento da Cerveja Oceânica em versão comercial. Ela vai sair das panelas caseiras de forma cigana, ou seja, vai terceirizar sua produção numa cervejaria já constituída. A escolhida foi a Cervejaria Antuérpia, localizada em Juiz de Fora, MG (vale lembrar que muitos cervejeiros do Rio têm produzido suas cervejas por lá, como a Botto Bar nº 2, do Leonardo Botto, e a witbier do Jarbas Menezes, feita para o Restaurante Aprazível).

Caio Delgaudio e Rafael Bertges


O primeiro rótulo da Oceânica é uma cerveja do estilo Session IPA. “Buscamos produzir uma Session que tivesse um corpo capaz de suportar todo o sabor da cerveja, e por isso usamos elementos e técnicas específicas. Além disso, para dar o devido destaque ao lúpulo, usamos técnicas como a lupulagem de primeiro mosto e abusamos da adição tardia, que acrescenta muito sabor e aroma. Finalizando, a carga de lúpulos no dry hopping é INDECENTE de alta!” – disse Bertges sobre a cerveja. O segundo rótulo também já está definido, mas o estilo por enquanto ainda é surpresa.

Em breve, maiores novidades sobre a Oceânica serão divulgadas nas redes sociais. Sobre a marca, Bertges diz que a intenção é apresentar novidades, mas também alternativas diferenciadas para estilos de cervejas já encontrados no mercado. A motivação deles é a possibilidade de se expressarem artisticamente através da bebida, mostrar a um grande público a visão que têm de cervejas já existentes e também o que de novo os comove.



Desejo vida longa à Cerveja Oceânica, sucesso aos amigos Bertges e Delgaudio nessa nova empreitada, e já estou ansioso aguardando as novidades – sou um dos felizardos que já provou as cervejas deles nos encontros da ACervA e atesto sua qualidade

Para quem quiser acompanhar a marca, basta acessar os links abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário