Páginas

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

O REI DO 2º FESTIVAL CARIOCA DA CERVEJA ARTESANAL

Eu sou Gil Lebre Abbade Franco, tenho 30 anos, sou o criador do blog A Perua da Cerveja e mês passado eu fui ao 2º Festival Carioca de Cerveja Artesanal.



Os 10 mandamentos do Rei do 2º Festival Carioca da Cerveja Artesanal são os seguintes:

ROUPAS DE GRIFE
Você tem que se vestir com as melhores marcas. É a melhor forma de divulgar seu blog ou sua cervejaria. Usar a grife do festival também é importante. Ah, e o tirante nunca deve ser esquecido!



Você também pode seguir o exemplo do cervejeiro Marcelão DuLeblon, com seu chapéu cheio de bottons de todos os cantos do mundo.

foto: Alex Ferro


CARRÃO
Você tem que ir de carrão, um carro grande mesmo, e com motorista particular. Então nada melhor que um ônibus! Aí você pode ir com todos os amigos, levar os barris de post-mix e voltar “trêbado” sem se preocupar com a Lei Seca. É importante seguir o mantra da responsabilidade “beba menos, beba melhor” #sóquenão

ANTES DO FESTIVAL - foto: Juliana Nascimento

DEPOIS DO FESTIVAL - foto: Juliana Nascimento


CAMAROTE
Quando a pessoa está na pista ela é apenas mais uma. Mas a pista do Bola Preta estava sempre bombando! Ali não teve distinção nem tratamento VIP. Tinha que ficar na fila para experimentar a próxima cerveja caseira, com um pouco de muvuca e empurra-empurra. Mas sempre com respeito e tomando o cuidado de não derrubar a cerveja da caneca ou nos outros.

foto: Alex Ferro


SERVIÇO EXCLUSIVO
Nos camarotes sempre tem pessoas te servindo. Mas o Bola Preta não tem camarote e na pista é você quem serve sua cerveja. Mas é gratificante a sensação de extrair uma cerveja da chopeira pela primeira vez na vida. E se o cervejeiro estiver ali perto para trocar figurinhas você descobre como ele criou aquela receita, que ingredientes usou, etc.

foto: Alex Ferro

foto: Alex Ferro


SEGURANÇAS
Eu vou pra balada com segurança até por causa da minha integridade física. Portanto, por garantia, sempre tomo dois comprimidos de Engov. Um antes e depois para evitar a ressaca do dia seguinte. 

Uma ambulância ficou de plantão do lado externo do Bola Preta, caso alguém passasse mal. 

A água servida no festival foi gratuita. Localizada em pontos estratégicos, ajudou a limpar a caneca e a evitar ou ao menos retardar um pouco a embriaguez.

Segurança é importantíssimo na balada. Mas sabe uma coisa, acho até pesado falar. Eu já vomitei na balada... no banheiro.

foto: Alex Ferro


CHAMPANHE
Vou ser muito sincero. A questão da DeuS é status, eu gosto mesmo é de beber IPA! E que venham as cervejas lupuladas, maltadas, alcoólicas, com especiarias, chips de carvalho... a diversidade é o que chama atenção na balada.

Chocolate Blackout Stout (Russian Imperial Stout - 12% ABV) - Cazé Napier
Chocolate mais intenso no aroma que na boca. Sabor cítrico. Doce não exagerado nem enjoativo, bom amargor. Lembrou uma barra de chocolate com raspas de laranja. Textura densa e licorosa.

Duck Pale Ale (English Pale Ale - 5,5% ABV) - Emerson Nogueira
Notas bem presentes de coentro e um toque defumado.


Christmas Ale com abóbora (6,5% ABV) - Afonso Dolabella
Aroma de gengibre, abóbora e leve tostado. Sabor similar. Bom drinkability.

Double Blanche (Double Witbier - 7,5% ABV) - André Nader
Cítrica, condimentada e limão bem presente. Refrescante. Bom drinkability.


Orbit (Ordinary Bitter - 4,5% ABV) - Cazé Napier
Aroma bem lupulado, herbáceo e resinoso. Amargor agressivo, mas bom, sem persistir no aftertaste. Fácil de beber, leve, drinkability sensacional.


Chocomenta (American Stout - 7,2% ABV) - Pedro Fraga
Hortelã e chocolate destacados. Textura mais leve que a versão do ano passado e bem seca.

American IPA com Galaxy e Nelson Sauvin (5,5% ABV) - Lucas Moraes e Leonardo Rangel
Aromática e lupulada. Notas de uva verde, floral, herbáceo, perfume e lavanda.
Sabor similar, amargor baixo, mas fino. Amargor bom que não persistiu na boca.

Ordinary Bitter (4,7% ABV) - Bruno Vath
Aroma cítrico. Sabor similar, lembrou suco de laranja.

Lilibeth (Strong Scotch Ale - 9% ABV) - Rafael Fonseca
Aroma defumado imperativo lembrou costela com molho barbecue. Boa presença maltada, com destaque ao uso do malte de uísque. Dulçor mais presente na boca, com notas de caramelo e toffee. Sensação amadeirada.


FAMOSOS
Outra coisa importante é você ter no festival a presença de pessoas conhecidas do meio cervejeiro. Principalmente se os mesmos estiverem servindo suas próprias cervejas. É uma oportunidade de ficar mais por dentro de sua produção e muitas vezes descobrir receitas novas que estão a caminho. Agrega ao festival, agrega a sua cerveja, agrega ao meio cervejeiro, agrega a tudo.

A "celebridade" Cazé Napier, vulgo fellingporra!, servindo sua criação.


MULHERES
No festival tem que ter mulheres, mulheres cervejeiras. Só assim para acabar com o preconceito que cerveja é coisa de homem. E o festival só ocorreu graças a elas! Elas que foram as responsáveis pela produção, organização do evento, mulheres empresárias, nos estandes, apresentando suas cervejas e degustando com todos. Já a comida ficou por conta dos ogros da Ogrogastronomia, provando que lugar de homem é na cozinha!

Mais um chili burguer saindo!


MÚSICA
As baladas que eu gosto de frequentar são as de músicos que tocam por prazer, não pra ganhar dinheiro. E a balada do festival foi comandada pelos DJs Zahle e Gutza tocando o fino da música popular brasileira, petardos da black music e clássicos do ska e rocksteady jamaicanos. Bandas ao vivo também são importantíssimas na balada. No sábado A Troça tocou seu samba de raiz e domingo foi a banda General Garrafa, tocando clássicos do rock.

A Troça - foto: Alex Ferro

General Garrafa - foto: Teresa Cristina Oliveira

INSTAGRAM 
Tem que ter um Instagram. Se você não tiver, usa o Untappd. Instagram é legal, mas Untappd é muito melhor. Lá você posta foto da cerveja, marca o local onde está bebendo, divulga nas redes sociais, comenta e ainda avalia se a cerveja é boa ou ruim.

Instagram: aperuadacerveja
Untappd: Gil77

   
E quem não gostaria de ganhar o concurso interno da ACervA Carioca? Ser um dos finalistas, ganhar insumos em prêmios cedidos pela Malte & Cia e Ceres Malte, ganhar uma placa com seu nome, ter os amigos implorando por um gole da sua cerveja campeã? Quem criticar os vencedores dos estilos Ordinary Bitter e Livre com ingrediente brasileiro, é um tremendo invejoso.

Estilo Ordinary Bitter:
1° lugar - Ordinária Amarga II - Rafael Oliveira
2° lugar - Paletó - Marlos Monçores, Luiz Bento e Flavio Faccini
3° lugar - Ordinary Duck - Afonso Dolabella

Estilo Livre com ingrediente brasileiro:
1° lugar - Black Anthrax, Imperial Stout extrema com café - Marlos Monçores
2° lugar - Genoveva uma Tripel brasileira com banana e canela - Vinícius Kfuri e Pedro Butelli
3° lugar - Ghost Barro, White IPA com laranja da terra - André Fortunato e Pedro Aliperti

Leonardo Botto e seus alunos campeões



Com essas 10 dicas você já pode ir se preparando para ano que vem se tornar o Rei do 3º Festival Carioca da Cerveja Artesanal.